quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

A ROTINA DA VIDA SERTANEJA

Zenóbio Oliveira

Em cada mão se arrebenta um calo
E o suor espesso pelo seu corpo escorre
Um sangue fervente em cada veia corre
E um sol de fogo, ardente, a castigá-lo.

Quando vestido em sombra o dia morre
As mãos dolentes a Deus pedem regalo
O corpo alquebrado pede abalo
E o estômago vazio pede porre.

E na tipóia, o sertanejo, em noite insone,
Espera que o vigor não lhe abandone,
Pois o amanhã lhe trará mesma peleja,

De enxada, terra seca e luta apenas,
Vai vivendo assim, a duras penas,
A rotina da vida sertaneja.

Um comentário:

  1. www.cronicasserra.blogspot.com
    www.poesiaesoneto.blogspot.com
    THE PORTAL ABOVE HAVE GOOGLE TRANSLATOR.

    ResponderExcluir